Paulo Abrantes - Filosofia

A questão do método nas ciências

Menciono várias vezes neste Memorial o livro Método e Ciência: uma abordagem filosófica, publicado em 2013 (ver e-book em Produções). Ele resultou de um trabalho que se estendeu por muitos anos e que incorporou, em vários momentos, publicações que vinha fazendo sobre temáticas mais específicas (em especial, a série de publicações em filosofia da ciência que produzi entre 1992 e 2004). Assinalo, de passagem, que a metodologia, como sub-área da filosofia da ciência foi, infelizmente, relegada a segundo plano por grande parte da produção filosófica do séc. XX (a despeito da contribuição dos popperianos que entendiam, contudo, de forma por demais estreita, o escopo da metodologia).

A idéia de escrever um livro de filosofia da ciência voltado para temas metodológicos surgiu quando lecionava a disciplina ‘Metodologia científica’ nos meus primeiros anos da UnB. Constatei que a esmagadora maioria dos livros publicados no Brasil com este título pouco tinham de filosófico e, de modo especial, não estão respaldados na literatura especializada em filosofia da ciência. É também verdade que tampouco tínhamos títulos em português nesta última área, especialmente escritos por filósofos da ciência brasileiros, à exceção de um ou outro já bastante antigos.

O meu objetivo foi o de fazer um livro que fosse introdutório e que pudesse ser empregado em cursos de metodologia científica em diferentes áreas e, mesmo, ser lido com proveito por pessoas de fora da academia. Embora a maior parte do seu conteúdo não esteja relacionado à pesquisa que faço atualmente, aproveito algum material dessa pesquisa para ilustrar determinados tópicos. Por exemplo, faço referência ao uso de modelos matemáticos por Richerson e Boyd no capítulo em que trato desta temática. E o capítulo final do livro incorpora os meus artigos sobre abordagens evolucionistas (ou melhor, selecionistas) do conhecimento científico.